Sepse: saiba como identificar sinais na criança

Reconhecimento dos sintomas e intervenções rápidas podem prevenir até 84% das mortes por esse quadro que surge como resposta inflamatória a uma infecção

200
Menino internado em cama de hospital
Febre, vômitos e tontura são alguns dos sinais associados à sepse
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais

Cerca de 11 milhões de pessoas morrem todos os anos devido a complicações da sepse, segundo dados divulgados pela Global Sepsis Alliance. O quadro se caracteriza por uma resposta inflamatória do organismo a uma infecção pré-existente, e acontece em 80% dos casos fora do ambiente hospitalar, sendo 40% deles em crianças menores de cinco anos de idade. Nesta faixa etária, houve 20,3 milhões de casos de sepse em 2017, segundo dados do Global Burden of Disease Study, que aponta doenças diarreicas e do trato respiratório inferior como principais causas da sepse não só em crianças mas em qualquer faixa etária.

A sepse ainda é um motivo importante de mortalidade infantil no Brasil e no mundo todo. E é consenso entre especialistas que a maioria dos casos poderiam ser tratados por meio de um diagnóstico precoce e um manejo clínico adequado. Nesta semana em que se celebra na quarta-feira (13) o Dia Mundial da Sepse, especialistas fazem um alerta para a importância da conscientização sobre o assunto. “Devemos lembrar que informar a sociedade sobre o assunto certamente vai levar a um diagnóstico mais precoce e ajudar a diminuir a morbidade e a mortalidade”, explica Regina Grigolli Cesar, supervisora médica da UTI pediátrica do Sabará Hospital Infantil.

Em 2020, o hospital identificou uma média de 19 casos de sepse em crianças por mês, sendo que, em 2023 (só no primeiro semestre) esse número subiu para 89 casos por mês. “Esse aumento de casos no Sabará ocorreu porque nossa equipe está apta a detectar a sepse já nos primeiros sinais, agilizando todo o procedimento protocolar e trazendo muito mais eficácia ao tratamento”, afirma a supervisora médica. Abaixo, ela esclarece algumas das principais dúvidas dos pais e responsáveis sobre o assunto.

LEIA TAMBÉM:

O que é a sepse?

A sepse é um conjunto de manifestações graves em todo o organismo que podem ser causadas por uma infecção.

É um problema que só atinge crianças?

Não. A sepse pode atingir pessoas de qualquer idade. Entretanto, a faixa etária mais vulnerável, que são as crianças e idosos, está mais propensa a apresentar essa condição.

A sepse é o que conhecemos como infecção generalizada?

Não. A sepse é uma resposta inflamatória generalizada a uma infecção. Ou seja, não significa que a infecção está em vários órgãos, mas, sim, que o organismo causa inflamações diversas na tentativa de combater os agentes da infecção (bactérias ou vírus), o que pode levar à disfunção ou falência dos órgãos, e até mesmo à morte, quando não descoberta e tratada rapidamente.

Quem está mais suscetível a ter sepse?

Bebês prematuros de baixo peso e crianças que têm alguma doença complexa como o câncer.

A sepse pode levar à morte?

Infelizmente, se não for detectada de maneira precoce por uma equipe especializada pode levar a criança a óbito. Entretanto, com intervenções rápidas e eficazes, é possível prevenir em até 84% das mortes.

Como identificar a sepse nas crianças?

Os sintomas nem sempre são fáceis de serem identificados e variam de febre ou temperatura muito baixa, vômitos, aceleração do coração (taquicardia), respiração rápida (taquipneia) até fraqueza e tonturas. O reconhecimento rápido de uma equipe especializada e uma intervenção clínica eficaz e adequada podem salvar vidas.

É possível prevenir a sepse?

Sim. Para isso, é necessário adotar medidas de saúde pública, como a melhora no saneamento básico, vacinação e controle de infecções. Uma higiene adequada das mãos também é fundamental para evitar a sepse.

Gostou do nosso conteúdo? Receba o melhor da Canguru News, sempre no último sábado do mês, no seu e-mail.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, deixe seu comentário
Seu nome aqui