Quase 4 em cada 10 adolescentes brasileiros pulam o café da manhã

Refeição é considerada a mais importante do dia; estudo aponta que as meninas são as que mais deixam de se alimentar nesse período

92
Jovem está afastada de café sobre a mesa
Jovens alegam falta de tempo e rotinas agitadas como motivos para não comer pela manhã
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais

Agência Einstein – Quase quatro em cada dez adolescentes (de 11 a 19 anos) brasileiros não tomam o café da manhã, segundo estudo realizado por pesquisadores da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). O levantamento aponta que as meninas nessa faixa etária são as que mais “pulam” a refeição. Ainda de acordo com a pesquisa, a irregularidade no consumo de alimentos pode ter um impacto negativo, uma vez que os hábitos formados na juventude tendem a ser mantidos na fase adulta. 

O café da manhã compõe o grupo das três principais refeições diárias (que inclui também almoço e jantar), sendo considerada a mais importante do dia: “é uma refeição fundamental porque quebra o jejum noturno e fornece ao corpo a energia necessária para iniciar o dia. Isso é importante para manter os níveis de glicose no sangue estáveis, evitando a fadiga e a irritabilidade. Além do mais, o café da manhã é uma oportunidade para ingerir nutrientes essenciais, como vitaminas, minerais e fibras, que desempenham um papel vital na saúde geral”, alerta a nutricionista Serena del Favero, do Hospital Israelita Albert Einstein.

O estudo constatou que a exclusão do café da manhã da rotina é maior em estudantes de escolas particulares. Os autores sugerem que isso pode ocorrer pois algumas prefeituras oferecem o café da manhã como parte da oferta de alimentação em escolas públicas por meio do Programa Nacional de Alimentação Escolar. Segundo eles, essa pode ser uma possível justificativa para essa diferença e apontam que o programa é uma importante estratégia para melhoria da alimentação dos estudantes.

O fato de as meninas serem as que mais pulam a primeira refeição do dia preocupou os autores, que relatam que entre as possíveis explicações está a maior preocupação em relação à autoimagem corporal, muitas vezes ligada à prática de dietas restritivas e, consequentemente, à omissão de refeições.

A nutricionista concorda que o dado apresentado pela pesquisa é um sinal de alerta: “é bastante preocupante, pois o hábito de pular o café da manhã entre as adolescentes meninas pode estar relacionado a uma preocupação com a aparência física. Alguns adolescentes, influenciados por padrões de beleza percebidos ou pressões sociais relacionadas à imagem corporal, pulam o café da manhã na tentativa de controlar ou perder peso e isso é um problema”, alertou.

LEIA TAMBÉM:

Como foi feita a pesquisa

Para chegar aos resultados, os pesquisadores usaram a base de dados de estudantes do 9º ano do ensino fundamental, que participaram da Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE) dos anos de 2012 e 2015. A PeNSE é uma pesquisa populacional realizada por meio de uma parceria do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) com o Ministério da Saúde para conhecer a situação de saúde de estudantes de escolas públicas e privadas. Ao todo, foram avaliadas informações de 109.104 estudantes em 2012 e, em 2015, 102.301. A pesquisa constatou a omissão do café em 38,1% dos alunos em 2012 e 35,6% em 2015.

Para avaliar a alimentação dos jovens, foi feito um questionário em que eles tinham que responder à seguinte pergunta: “Você costuma tomar o café da manhã?”. Entre as opções de respostas, estavam: “Sim, todos os dias”; “Sim, 5 a 6 dias por semana”; “Sim, 3 a 4 dias por semana”; “Sim, 1 a 2 dias por semana”; “Raramente”; “Não”. Os pesquisadores consideraram a omissão do café da manhã quando o aluno afirmou consumir a refeição menos de cinco dias por semana.

Além disso, os autores apontam que os comportamentos alimentares inadequados, com alimentos menos saudáveis, têm sido cada vez mais constantes entre os adolescentes brasileiros – o impacto disso é a relação direta com o aumento dos casos de sobrepeso e obesidade e da presença de fatores de risco cardiometabólicos, entre eles, o desenvolvimento de doenças crônicas como o diabetes.

Má alimentação impacta no desempenho escolar

Segundo a nutricionista do Einstein, a alimentação inadequada tem um impacto no desempenho cognitivo. “O café da manhã para os adolescentes é tão importante quanto para os adultos. O consumo regular dessa refeição está relacionado a um melhor desempenho acadêmico em adolescentes. A falta de nutrientes essenciais pode afetar a concentração, a memória e a capacidade de aprendizado”, afirmou.

A especialista diz que os resultados do estudo refletem a experiência observada na prática clínica, com adolescentes relatando não tomar o café da manhã com justificativas diversas. “Normalmente, alegam falta de tempo, rotinas matinais agitadas, com compromissos escolares e atividades extracurriculares”, disse. 

Outro problema observado é que os adolescentes têm hábitos alimentares irregulares, ou seja, simplesmente não têm o costume de comer pela manhã. “Isso pode ser influenciado por padrões alimentares familiares, falta de incentivo para a importância do café da manhã, ou até mesmo questões individuais relacionadas às preferências alimentares”, disse Serena del Favero.

Os resultados do estudo são importantes para criar uma base sólida para desenvolver estratégias de educação em saúde. “Alguns adolescentes podem não estar cientes dos benefícios à saúde associados ao consumo regular do café da manhã. Assim, identificar lacunas no conhecimento sobre a importância do café da manhã permite direcionar campanhas educativas específicas para abordar essas questões”, completou.

Gostou do nosso conteúdo? Receba o melhor da Canguru News semanalmente no seu e-mail.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, deixe seu comentário
Seu nome aqui