Crianças, já para a cozinha!

Incentivar as crianças a participar do processo de preparo das refeições, além de ser divertido, serve de incentivo para manter uma alimentação saudável

2545
5 motivos para envolver as crianças no preparo de receitas; vó brinca com neta durante preparo de receita
O preparo de um prato em família contribui para criar memórias afetivas
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais

Você já expulsou as crianças da cozinha alegando que elas iriam fazer bagunça na hora do preparo de receitas? Pois há quem recomende justamente o contrário. Convidar as crianças para fazer um bolo, biscoitos ou mesmo um prato especial pode favorecer a criação de boas memórias em família, além de contribuir para fortalecer o vínculo afetivo com os pais ou outros familiares que estiverem participando da atividade. “Envolver a criança nas tarefas da cozinha – desde a compra dos alimentos até o preparo de alguma receita – é um dos fatores determinantes para criar bons hábitos alimentares ainda na infância e impactar a forma como essa criança vai se alimentar na idade adulta”, afirma a nutricionista materno-infantil da Liga da Cozinha Afetiva, Flávia Montanari.

A Liga foi criada por quatro mulheres – uma chef de cozinha, uma nutricionista e duas pediatras, todas mães e apaixonadas por culinária, ciência e afeto – que buscam reaproximar as pessoas do alimento e do ato de cozinhar. No ano passado, elas lançaram um e-book – Essência: Medicina do Estilo de Vida e Culinária Afetiva – para desmistificar os paradigmas em torno da dificuldade de cozinhar, aliando dicas práticas e também técnicas. Para as autoras do livro, esse é um trabalho que deve ser iniciado desde cedo com as crianças. A seguir, Flávia Montanari lista cinco bons motivos para incentivar o chef de cozinha que existe em cada criança.

5 motivos para envolver as crianças no preparo de receitas

1. Estimular a alimentação saudável: pelo fato de manter uma ligação direta com o alimento enquanto estiver fazendo as atividades, como a escolha dos ingredients e a sua preparação, esse processo estimula a criança a provar novos sabores.

2. Aperfeiçoar os sentidos: ao tocar os alimentos, a criança vai sentir sua forma, textura, temperatura e aroma. Ao provar o que ela ajudou a preparar, deve ser incentivada a comer devagar, percebendo todos os sabores e texturas na boca.


Leia também: Alimentação escolar pode ter papel protetor contra doenças crônicas, mostra estudo


3. Melhora da coordenação motora: Flávia conta que pequenos gestos, como lavar um alimento ou utensílio, misturar os ingredientes e cortar o ingrediente sob supervisão do adulto são atividades que estimulam as habilidades manuais.

4. Organização e paciência: precisamos dessas duas características na vida adulta e ela pode ser treinada na cozinha. Afinal, é preciso ter todos os ingredientes e utensílios separados para poder fazer uma receita, esperar o tempo de cocção e até de esfriar para podermos comer.

5. Fortalecer vínculos afetivos: todo mundo lembra, com saudade, de alguma comida gostosa da infância. Passar momentos com os filhos na cozinha é uma maneira de estreitar os laços familiares e criar essas memórias afetivas que são tão significativas.


Leia também: Não sabe o que mandar para a escola? Veja 10 sugestões


Flávia ressalta que “cozinhar com as crianças permite que elas conheçam a história da família por meio de receitas passadas de geração em geração e também por estarem juntos à mesa, transmitindo valores e conversas”. Ela destaca que ao levar as crianças para a cozinha – sempre com a supervisão de um adulto – é importante saber que cada faixa etária tem uma dinâmica diferente nesse espaço. Veja abaixo orientações específicas para cada idade.

A dinâmica na cozinha para cada faixa etária

Menores de dois anos: Tem uma participação menos ativa, mas não menos importante. Enquanto estiver preparando alguma receita, sempre que possível, deixe o seu filho no cadeirão para lhe observar cozinhando e poder sentir os aromas espalhados pela casa. Permita que ele toque, amasse, experimente os alimentos. Dê a ele, utensílios para estimular a coordenação motora desde cedo.

Dois a três anos: Com o aprendizado da fala, o diálogo deve estar sempre presente, portanto, explique sobre os alimentos e os benefícios para seu filho. O contato com o alimento é necessário. Para algumas receitas, é possível já misturar alguns ingredientes.

Três e seis anos: Misturar os ingredientes, amassar, esticar com o rolo, untar a forma, limpar a mesa e a bancada são exemplos de atividade que podem ser feitas na cozinha.

A partir dos sete anos: Todas as atividades anteriores, além de manusear alguns utensílios, como o liquidificador, lavar a louça e
colocar a mesa podem ser realizadas por esta faixa etária.


Leia também: Rita Lobo fala sobre os benefícios do ato de cozinhar


Gostou do nosso conteúdo? Receba o melhor da Canguru News semanalmente no seu e-mail.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, deixe seu comentário
Seu nome aqui