‘Para ter filhos antirracistas, pais precisam entender o racismo’

A educadora parental Magda Figueiredo diz ser essencial que as famílias estudem e tenham consciência das discussões raciais, antes de conversar sobre o assunto com as crianças

383
Magda Figueiredo, educadora parental e produtora de conteúdo antirracista
Para ampliar conscientização sobre o racismo, Magda Figueiredo (foto) ver filmes e ler livros de mulheres negras como Bell Hooks
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais

Por diversas vezes, a educadora parental Magda Figueiredo foi confundida com uma babá ao passear com o filho pelas ruas do Pacaembu, bairro de classe média alta de São Paulo. “As pessoas me paravam e falavam: ‘Quanto você cobra?'”, conta ela, que se apresenta como mulher negra. Magda morou por 37 anos na periferia, no Parque Santo Antônio, na zona sul da capital paulista, até se mudar, quando o filho nasceu, cerca de sete anos atrás, para uma casa compartilhada no bairro nobre localizado entre as zonas oeste e central da cidade.

As experiências racistas que passou a enfrentar enquanto mãe a levaram a querer se aprofundar nos estudos da parentalidade para compartilhar seu conhecimento sobre criação dos filhos com outras famílias pretas. Magda tem formação em disciplina positiva e em estudos familiares, esta ministrada pelas educadoras parentais Elisama Santos e Lua Barros.

“A formação de estudos familiares foi a única que eu fiz que abordava questões de gênero, raça e contexto social, o que me deixou esperançosa, visto que era um curso feito majoritariamente por pessoas brancas, e eu vi ali uma possibilidade dessas pessoas entrarem em contato e ampliarem o olhar para as questões raciais, podendo assim ter outras conversas com a sociedade dentro da parentalidade, num papo de branco para branco.”

Segundo a educadora parental, para combater o racismo é fundamental que os brancos estudem o assunto e entendam o que é o letramento racial, um conjunto de práticas que ajudam a desconstruir formas racistas de pensar e agir. 

“A partir do momento que vocês não sabem o que é esse letramento racial, não sabem por que o racismo existe e nem o que é uma violência contra crianças e adolescentes pretos, você normaliza, naturaliza as ações e nem se dá conta do que está praticando.” 

Uma pergunta recorrente de qualquer pai, segundo Magda, é quanto a como criar filhos antirracistas, ao que ela sempre afirma que quem ensina primeiro precisa aprender. “Bato na tecla que para ter filhos antirracistas os pais precisam se racializar. Ler com as crianças não é só um ato isolado, mas uma constante. É ter consciência racial de que o racismo acontece diariamente, crianças não nascem racistas, elas se tornam, aprendendo com a sociedade, em casa, com os seus cuidadores e na escola”, disse ela, em seu perfil em rede social.

Para ampliar essa conscientização, ela recomenda: “Coloque para as crianças filmes e veja junto, leia livros de mulheres negras. Uma hora o filho vai perguntar sobre as questões raciais e se você estiver atento e consciente vai saber responder. Não é estar preparado, mas ter consciência racial. Vai mudar tudo para todos”, diz. Também parte dos pais dar exemplos às crianças de combate ao racismo e de indignação diante de atos racistas, acrescenta. Um dos livros que Magda sugere para ler com as crianças é a obra A pele que eu tenho, de Bell Hooks, artista e ativista antirracista norte-americana. 

LEIA TAMBÉM:

Nas redes, palestras, formações e nos artigos que escreve, a educadora parental ressalta sempre a urgência de combater o racismo estrutural, que está enraizado na sociedade e faz crer que são naturais ou banais comportamentos violentos contra crianças e adultos negros. Ainda mais num país como o Brasil, em que mais da metade (55,8%) da população é negra, segundo dados de 2022 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

“Tive um encontro uma vez com pais negros e muitos deles me relataram a falta de direito de levar a sua filha no parquinho ou no banheiro do shopping. Um pai me contou que a filha dele tinha o rótulo na praça de menina raivosa, no auge dos seus 6 anos de idade, porque a maioria das vezes ela tinha que responder que o homem negro que estava com ela era seu pai”, escreveu Magda, em artigo para o jornal Orbi.

Diante de situações como essa, ela questiona quantas vezes essa menina terá que responder que o homem preto é seu pai e não um marginalizado, sequestrador ou estuprador. “Esse pai queria ser pai. Ter o direito assim como todas as pessoas não negras de ir e vir. De levar sua filha ao parquinho, na praça. Isso parece ser tão ‘normal’, mas para os negros não é”.

A especialista relata ser comum os educadores parentais se preocuparem quanto a como atender as famílias pretas de forma satisfatória, levando em conta e valorizando suas especificidades. Porém, Magda acredita que o caminho deve ser inverso, no sentido do branco olhar para si e refletir sobre suas concepções – o que vale para qualquer profissional e a sociedade como um todo. 

“Eu entendi, nos últimos dois anos estudando a branquitude, que existe uma preocupação em como atender a família preta. Na verdade, é o contrário”. De acordo com Magda, o branco tem de analisar o que ele pensa sobre a família preta, por que não se identifica com ela, por que não tem uma afetividade com crianças negras, não sabe mexer no cabelo delas nem se relacionar com elas. 

“Porque (o branco) olha a gente ainda no processo de animalização. Parece que nós somos animais, que devemos ser estudados. A gente não precisa que vocês estudem a gente. A gente precisa que vocês estudem vocês.”

No vídeo a seguir, veja outros trechos da entrevista concedida à Canguru News para a série “Conversas sobre parentalidade”, em que Magda fala sobre racismo estrutural, os obstáculos colocados pela branquitude, a educação parental, os profissionais negros e o debate sobre racismo nesse campo.

Gostou do nosso conteúdo? Receba o melhor da Canguru News semanalmente no seu e-mail.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, deixe seu comentário
Seu nome aqui