A empresa para a qual você trabalha é ‘family friendly’?

Great Place to Work divulga orientações sobre como gestores podem apoiar pais e mães que trabalham nesses tempos de coronavírus

0
Mãos fazem gesto que remete a um coração e dentro dele há um desenho em papel de uma família, dois adultos e duas crianças. Conceito 'family friendly'

Leia em: 3 minutos

No Brasil, a discussão é mais recente. Mas nos países desenvolvidos há muito o termo family friendly entrou no vocabulário do mundo corporativo. Empresas alinhadas com esse conceito são aquelas que levam em consideração o bem-estar da família de seus funcionários e estabelecem práticas que respeitam os compromissos dos pais com seus filhos. “As empresas do Reino Unido já entenderam há alguns anos que quando as relações com a família vai bem, o funcionário trabalha melhor, rende mais”, diz a educadora e escritora inglesa Lorraine Thomas. Fundadora da Parent Coach Academy, a especialista tem sido contratada por grandes multinacionais para desenvolver dentro das companhias programas de apoio a pais e mães.

Por aqui, a conscientização das sobre a importância de as empresas apoiarem pais e mães ainda engatinha. Mas o assunto definitivamente já está na pauta. O primeiro ranking das “empresas amigas da infância” foi divulgado no ano passado, com apoio da Fundação Maria Cecília Souto Vidigal, instituição que atua na defesa de políticas para a primeira infância como instrumento de desenvolvimento social. Seis companhias entraram no ranking como bons exemplos que deveriam ser seguidos no mundo corporativo.

Leia também: Como trabalhar em casa com crianças sem perder a calma (e a sanidade)

Segundo estudos do instituto Great Place To Work (GPTW), nas 150 organizações brasileiras que aparecem nas lista das melhores empresas para se trabalhar, a taxa de rotatividade voluntária (os empregados que pedem demissão) é de 7%, muito menor que os 24% da média nacional. Na avaliação do GPTW, o principal diferencial dessas empresas é se importar de fato com as condições de vida do funcionário – o que envolve valorizar suas relações familiares. São empresas que oferecem, por exemplo, condições para que os pais estejam mais presentes na vida dos filhos pequenos – seja criando jornadas de horário flexível ou criando espaço para as crianças dentro das próprias dependências.

“A ciência diz que é impossível ajudar as crianças sem ajudar os adultos”, resume Jack Shankoff, do Centro de Desenvolvimento da Universidade de Harvard (EUA). A citação está no e-book “Apoiando Mães e Pais que trabalham: guia para gestores em tempos de pandemia”, recém-lançado pela GPTW em parceria com Bloom. Agora que pais e mães passaram a trabalhar em home office, por causa da pandemia do coronavírus, mais do que nunca as empresas precisam respeitar as relações familiares como parte das atribuições diárias de cada funcionária.

Leia também: Home office: o dia a dia das mães com os novos ‘colegas de trabalho’

Na obra, especialistas dão dicas simples de como os gestores podem contribuir. Uma delas é entender que o funcionário não estará disponível o tempo todo para o trabalho como antes, que precisa cuidar dos filhos, preparar as refeições. Videoconferências precisam ter hora marcada e não devem ser longas. Na avaliação os estudiosos sobre as relações interpessoais no mundo corporativo, o futuro da trabalho chegou e ele é family friendly. A quarentena, portanto, pode ser uma excelente oportunidade para as empresas praticarem o tipo de relação que precisam a aprender a ter com seus colaboradores.

Conheça o ebook aqui.

Quer receber mais conteúdos como esse? Clique aqui para assinar a nossa newsletter. É grátis! 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, deixe seu comentário
Seu nome aqui