Falar devagar e em tom alto com o bebê favorece o seu desenvolvimento, diz estudo

1069
falar com filhos
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais

Tem gente que gosta de falar com os bebês tentando imitá-los, fazendo voz fina e emitindo sons incompreensíveis. Em inglês, existe até um termo para descrever essa prática, chamado “baby talk”. Educadores tendem a discordar, baseados em estudos que sugerem que a prática pode não beneficiar a criança, por apresentar a ela uma linguagem extremamente simplificada e que limita sua compreensão de um código linguístico “adulto”. No entanto, uma outra forma de falar com os filhos, chamada em inglês de “parentese”, pode influenciar positivamente o desenvolvimento da linguagem das crianças.

O “parentese” é caracterizado por ser um estilo de fala que tem um tom mais alto, um ritmo mais lento e uma entonação exagerada que atraem a atenção do bebê. Diferentemente do “baby talk”, o “parentese” usa a gramática correta, além de palavras reais e simples. Esse estilo de falar com os filhos pode ajudar os pequenos a aprenderem mais rápido por seguir a norma culta da língua.

Leia também: Série mostra desenvolvimento do bebê em seu primeiro ano

Uma pesquisa do Instituto de Aprendizagem e Ciências do Cérebro (I-Labs, na sigla em inglês) da Universidade de Washington, publicada em fevereiro, investigou se pais alterariam sua forma de falar para incluir o “parentese” se eles soubessem que esse estilo de discurso ajudaria seus filhos a aprenderem. E os resultados apontaram que sim.

Os cientistas informaram os pais sobre o valor do “parentese” no aprendizado do bebê, os treinaram para usá-lo e examinaram como isso afetou o uso dessa forma de fala por eles com seus próprios filhos. Os resultados indicaram que os pais ensinados sobre a importância do “parentese” o usaram com mais frequência do que aqueles que não foram ensinados, produzindo mais conversas entre pais e bebês e melhorando as habilidades linguísticas das crianças.

Patrícia Kuhl, pesquisadora do I-Labs, explica o estudo que analisou os benefícios do “parentese” nos bebês

“Sabemos há algum tempo que o uso do ‘parentese’ é associado a melhores resultados de linguagem. Mas não sabíamos o porquê”, diz Patricia Kuhl, co-diretora do I-LABS e professora de ciências da fala e audição na universidade. “Este novo trabalho sugere que a ‘parentese’ funciona porque é um gancho social para o cérebro do bebê – seu tom alto e ritmo mais lento são socialmente atraentes e convidam o bebê a responder”, acrescenta ela.

Leia também: E-book da Unicef traz informações sobre o desenvolvimento saudável das crianças

Para o estudo, as famílias participantes utilizaram um gravador colocado em um colete que os bebês vestiram em quatro fins de semana separados, nas idades de 6, 10, 14 e 18 meses. O aparelho gravou a fala da criança e dos pais para que os pesquisadores pudessem medir o uso do “parentese” e a produção infantil de linguagem – sendo essa linguagem apenas sons ininteligíveis ou palavras. As sessões de treinamento em “parentese” dos pais foram feitas aos 6, 10 e 14 meses. O resultado foi que o treinamento resultou no aumento do uso desse estilo de fala e no aumento de vocalizações infantis.

Filhos de pais treinados falaram palavras reais com quase o dobro da frequência das crianças cujos pais não receberam treinamento. Pesquisas com os pais estimaram que o vocabulário aos 18 meses das crianças de pais treinados tinha média de 100 palavras, enquanto o das crianças cujos pais não tinham tido treinamento tinha em média 60 palavras.

Patricia Kuhl ressalta a importância do estudo. “A linguagem evoluiu para facilitar as habilidades de comunicação social que são essenciais para a sobrevivência da espécie. Neste estudo, nós observamos em primeira mão como a linguagem e o engajamento social dos pais pode promover as respostas iniciais do bebê, que se transformam em palavras e depois em frases — educando os bebês na arte da comunicação humana”, afirma ela.

Quer receber mais conteúdos como esse? Clique aqui para assinar a nossa newsletter.

Heloisa Scognamiglio
Jornalista formada pela Unesp. Foi trainee do jornal O Estado de S. Paulo e colaboradora em jornalismo da TV Unesp. Na faculdade, atuou como repórter e editora de internacional no site Webjornal Unesp e como repórter do Jornal Comunitário Voz do Nicéia. Também fez parte da Jornal Jr., empresa júnior de comunicação, e teve experiências como redatora e como assessora de comunicação e imprensa.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, deixe seu comentário
Seu nome aqui