Menino de cinco anos tem olho queimado por álcool em gel

Segundo a mãe de Bento, de apenas cinco anos, o menino "tremia de dor"; ele foi levado ao hospital, onde foi constatada queimadura na córnea

2459
Bento, com curativo no olho, após acidente em que álcool gel espirrou em seu rosto.
Bento tentou passar álcool em gel nas mãos, mas o produto espirrou em seu olho, causando uma queimadura na córnea. Foto: Reprodução/Facebook
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais

Com a pandemia do novo coronavírus, o uso de álcool em gel se tornou um novo hábito para as famílias. Mas é preciso tomar muito cuidado, principalmente com as crianças. Um caso que chamou a atenção para o tema é o do pequeno Bento, de apenas cinco anos. Ele tentou higienizar as mãos com álcool em gel 70%, mas algum problema com a válvula do frasco fez com que o produto espirrasse em seu olho. O garoto teve que ser levado ao hospital, onde foi constatada uma extensa queimadura na córnea. 

O caso ocorreu na semana passada, em Campinas, no interior do estado de São Paulo. Camila Mendes, mãe de Bento, fez uma postagem em seu perfil no Facebook contando o que aconteceu, com a intenção de alertar mães e pais sobre o uso do álcool em gel. Seu relato viralizou. “Ele chorou muito. Corri lavar com água corrente, [pois] a princípio tratei como se fosse xampu ou sabonete, mas não melhorou. Ele continuava chorando e até tremia de dor e me pediu que o levasse ao médico”, escreveu Camila. 

Leia também – Ser avô é a cereja do bolo da vida

No hospital, ao ser identificada a queimadura na córnea, Bento teve que ser sedado para a retirada do resíduo de álcool em gel de seu olho. Ele foi medicado e mandado para casa, onde está se recuperando. Três dias depois do acidente, no dia 20 de julho, o garoto comemorou seu aniversário de cinco anos. O atendimento médico imediato foi extremamente importante, já que, quanto mais tempo o álcool fica em contato com o olho, maior a lesão. 

O álcool em gel que causou a queimadura no olho de Bento ficava em um frasco em cima de um aparador na entrada de sua casa, para que todos incluíssem o uso na rotina – cenário que se tornou extremamente comum durante a pandemia. Mas o produto traz riscos e é preciso ficar atento. Se entrar em contato com o olho ou a boca, o álcool em gel pode causar queimaduras, como foi o caso do Bento. No caso de ingestão, dependendo da quantidade, ele pode causar intoxicação. 

Leia também – Máscara com chupeta: pediatras alertam que acessório pode causar asfixia

Pelos riscos, o uso do produto deve ser cuidadoso até mesmo para os adultos. Em relação às crianças, o cuidado deve ser redobrado. Em nota sobre prevenção de acidentes durante a pandemia, a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) afirma que, para as crianças, o melhor é sempre optar por usar água e sabão na higienização das mãos, deixando o uso do álcool em gel para a necessidade absoluta de ter que sair de casa.  

Caso não haja a opção de água e sabão, o álcool em gel só deve ser usado por crianças que já têm noção de que não podem colocar a mão na boca ou nos olhos e, mesmo assim, um adulto deve supervisionar e orientar o uso. As embalagens de álcool em gel também devem ser deixadas longe do alcance das crianças, para evitar o uso não supervisionado. Em entrevista à Época, o vice-presidente da Sociedade Brasileira de Oftalmologia (SBO), Eduardo Martines, destacou a necessidade de ter cuidado no manuseio de álcool e orientou que, se houver contato do produto com os olhos, é preciso lavar imediatamente com soro fisiológico e procurar atendimento médico. 

Quer receber mais conteúdos como esse? Clique aqui para assinar a nossa newsletter. É grátis! 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, deixe seu comentário
Seu nome aqui