Adaptação escolar: sinais de que a criança não se acostumou à rotina

Especialistas falam sobre comportamentos comuns quando a adaptação não sai como o esperado e sugerem alternativas para facilitar a experiência escolar

421
Menina de cara séria escreve em caderno na sala de aula
Dificuldades de atenção e concentração podem indicar algum desconforto na adaptação escolar
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais
Buscador de educadores parentais

A volta às aulas é motivo de alegria para muitos alunos, mas há também quem não fique tão feliz assim. “O retorno à rotina escolar, que para uns é tão agregador e saudável, para outros pode ser desestruturante”, afirma a psicopedagoga Nadja Pinho, especialista do núcleo infantojuvenil da Holiste Psiquiatria. Muitas vezes, essa falta de interesse tem a ver com a adaptação à escola, e pode ser percebida na dificuldade de aprendizagem, de atenção e concentração, desafios na coordenação motora ou até mesmo alguma alteração no processamento sensorial.

Nesses casos, é importante acolher a criança, suas emoções e angústias com o retorno à escola. Se a criança apresenta dificuldade em copiar o dever na sala de aula, por exemplo, é provável que evite realizar essa tarefa, limitando a participação na classe. Nessa situação, não se trata de culpabilizar o aluno e sim de encontrar estratégias para promover a independência, a autonomia e o bem-estar necessário para que seja possível aprender e conviver naquele ambiente, destaca a terapeuta ocupacional Daniele Bacellar.

Ela diz que especialmente com crianças e adolescentes com TDAH e TEA é possível confeccionar ou indicar utilização de recursos para favorecer a adaptação na escola. Entre eles, “plano inclinado, lápis e canetas com diâmetro maior, exercícios lúdicos, órteses, pautas ampliadas, textos emborrachados e computador”, alternativas que variam de acordo com os desafios de cada um.

LEIA TAMBÉM:

Sinais de alerta

Em geral, os próprios educadores comunicam se a criança está com dificuldade de se adaptar à rotina da escola, mas é fundamental ficar atento aos seguintes comportamentos:

  • Sinais intensos de desconforto na escola, como choros, dificuldade de lanchar e socializar, por mais de três meses após o início das aulas;
  • Muita ansiedade, sintomas como preocupação exacerbada com a escola, dificuldade de dormir ou cansaço extremo, taquicardia.;
  • Criança ou adolescente se machucando, vomitando e chorando frequentemente na escola, enquanto longe dos pais.

Para as especialistas, é fundamental que os responsáveis, ao identificar estes sinais, não minimizem o sofrimento, mas encarem como um indício de que é preciso buscar ajuda para superar os desafios, sejam de ordem emocional ou de outro aspecto, como a dislexia ou déficit de atenção, entre outros.

“Em casos assim, o acompanhamento profissional é necessário, mas, de maneira geral, é importante utilizar recursos para que a criança e o adolescente sintam prazer com os conteúdos trabalhados em sala, possibilitando um aprendizado crítico e não apenas algo obrigatório”, ressalta a psicopedagoga.

Gostou do nosso conteúdo? Receba o melhor da Canguru News semanalmente no seu e-mail.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, deixe seu comentário
Seu nome aqui